Artigos e notícias

28/07/2017

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA ELEIÇÕES GERAIS -  ABOPE
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE OTORRINO PEDIÁTRICA


A ACADEMIA BRASILEIRA DE OTORRINOLARINGOLOGIA PEDIÁTRICA ABOPE, com sede à Av. Indianópolis, 1.287, Bairro Planalto Paulista, na cidade de São Paulo, neste ato representado por sua Presidente – Dra. Melissa Ameloti Gomes Avelino, vem através do presente, COMUNICAR aos seus associados, de acordo com o Estatuto Social em vigor, que PROMOVERÁ, no período de 15 de setembro a 05 de outubro de 2017, as eleições para Diretoria Executiva, sendo seus resultados, respectivamente, proclamados e referendados na Assembleia Geral Ordinária que será realizada em 01 de novembro de 2017, por ocasião do 47º Congresso Brasileiro de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico Facial, em Florianópolis/SC.


Para visualizar o Edital clique aqui.

São Paulo, 28 de julho de 2017. 

Dra. Melissa Ameloti Gomes Avelino
Presidente da ABOPE


31/03/2016

Estratégia global para reduzir mortalidade por asfixia, especialmente em crianças, através da educação sobre riscos de asfixia. Saiba mais.


03/08/2015

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA
ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA

A ACADEMIA BRASILEIRA DE OTORRINO PEDIÁTRICA - ABOPE, inscrita no CNPJ. 17.324.398/0001-14, vem, através do presente edital e por meio de seu Diretor-Presidente, de acordo com o estatuto vigente, levar ao conhecimento de todos os associados que realizará no dia 04 de setembro de 2015 ás 12:00 a Assembleia Geral Extraordinária, na Sede,  localizado na Avenida Indianópolis, 1.287, Planalto Paulista - São Paulo – SP, para deliberarem a respeito da seguinte ordem do dia:

  1. Prorrogação do Mandato da atual diretoria.

Em referência a prorrogação do mandato, tal mecanismo se faz necessário tendo em vista que o mandato da atual diretoria teve início em 20 de novembro de 2013, mandato de dois anos, com término em 20 de novembro de 2015. Entretanto, para sincronizar as eleições gerais da ABOPe com a realização da próxima Assembleia Geral Ordinária, que acontecerá durante o 45º Congresso Brasileiro de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico Facial, em Novembro, que está sendo proposta para a Assembléia Geral Extraordinária a prorrogação do mandato da atual diretoria até novembro quando então acontecerá a eleição geral da ABOPe.
Não havendo na hora acima indicada número legal de associados para a instalação dos trabalhos em primeira convocação, a Assembleia será realizada 30 (trinta) minutos após, no mesmo dia e local, com os mecanismos a atender os quóruns estatutários.

São Paulo, 03 de agosto de 2015.

Dra. Renata Cantisani Di Francesco Mion
Presidente da ABOPe


15/04/2014

Fique atento! Saiba o que fazer quando o bebê engasgar

O que os pais da pequena Kethlyn, de apenas oito dias, viveram na última quarta-feira, em Itanhaém, é o medo da maioria das pessoas que presenciam a tosse insistente de alguém que se engasgou. Sufocada, a menina já corria risco de morrer. Ela foi salva por dois policiais militares que realizaram os primeiros socorros, após longos minutos de desespero dos pais. Só então todos puderam respirar aliviados. 

O que a pequena Kethlyn viveu é mais um alerta para a necessidade de, em casos como esse, manter a calma e dominar alguns procedimentos que podem ajudar.
 
De acordo com o médico e diretor da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia, Eduardo de Sá Pedroso, apesar de poder acontecer com qualquer pessoa, casos de engasgo acometem mais crianças e idosos. Isso por conta de incorreções na deglutição ou, no caso das crianças, pela ingestão de pequenos objetos.

“Ao invés de se dirigir para o esôfago e seguir para o estômago, o corpo estranho cai nas vias aéreas”, explica o médico. Segundo Pedroso, muitas vezes o alimento forma um ‘bolo’ no esôfago que causa desconforto, mas sem grandes complicações. Agora, quando segue pela laringe e ultrapassa a prega vocal provoca uma tosse muito forte. “Essa tosse pode deslocar o ar em até 300 km/h. É uma forma de o organismo expelir aquele corpo estranho”.

Apesar do susto, na grande maioria dos casos a tosse resolve o problema. O pior acontece quando todo o canal é obstruído, não se tem reação e a respiração fica impossibilitada.

“Nesses casos, se for um bebê, é preciso colocá-lo de barriga para baixo, apoiado no braço e, este por sua vez, na perna. Se for líquido, essa posição já ajuda. Se foi obstrução por sólido, é preciso dar empurrões nas costas, com uma força dosada para o tamanho da criança”.

No caso dos adultos e crianças maiores, a manobra de Heimlich é a indicada. Posicione-se atrás da vítima, se ela ainda estiver consciente. Em crianças, posicione-se atrás, de joelhos. Coloque uma das mãos fechadas sobre a chamada boca do estômago e com a outra, comprima a primeira, ao mesmo tempo em que empurra para dentro e para cima, como se fosse levantar a pessoa.

“Tudo isso deve ser realizado sem esquecer de pedir para alguém chamar socorro profissional. Se a pessoa desmaiar, é importante verificar se é possível retirar o corpo estranho com o dedo. Caso contrário, procedimentos médicos precisam ser tomados com urgência”, diz Pedroso.

Pneumonia

Balas mais duras, amendoim e pipoca. Esses alimentos, afirma Pedroso, devem ficar de fora da alimentação de crianças até mais ou menos 5 anos. O médico explica que pequenos pedaços podem não causar engasgos, mas ser aspirados e alojados no pulmão. “Esses fragmentos podem acumular secreção e causar pneumonia”.

Já os idosos que usam dentaduras devem redobrar os cuidados na hora de comer. “Como com a prótese pode se perder a sensibilidade em alguns locais, isso pode fazer com que o controle da deglutição diminua, favorecendo os engasgos”.

Rápido demais

Os hábitos atuais também podem garantir um cenário propício para os engasgos. “Comer e mastigar rápido demais é um perigo. Nesse dia a dia atribulado, é preciso ter mais calma na hora de comer”.

Fonte: A Tribuna
http://www.atribuna.com.br/cidades/fique-atento-saiba-o-que-fazer-quando-o-beb%C3%AA-engasgar-1.369680


09/04/2014

Quatro coisas sobre audiometria

Feito por um fonoaudiólogo, o exame avalia a audição e deve ser realizado no início da alfabetização da criança

O que é
É um exame para avaliar a audição. O fonoaudiólogo analisa como a criança escuta as diferentes frequências do som (médio, grave e agudo) e qual é a menor intensidade que ela ouve.

Como é feito
Em uma sala, com fones nos ouvidos, a criança é estimulada a levantara mão (ou apertar um botão ou colocar um brinquedo na caixa) sempre que ouvir algo. O fonoaudiólogo vai modificando a frequência e a intensidade do som.

Crianças pequenas
O profissional tenta fazer o teste com a colaboração da criança, de forma lúdica e usando bonecos. Quando não é possível, ele realiza exames que podem ser feitos sem a ajuda dela. Em casos extremos, ela pode ser sedada para fazer a avaliação.

Quando fazer
O primeiro deve ser feito no início da alfabetização ou se há desconfiança de que a criança ouve mal. Se seu filho fala muito alto, não se concentra nas atividades ou apresenta atraso na fala, busque orientação.

Fonte: Marcelo Ribeiro Piza, da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia

Para acessar a reportagem no Portal Crescer, clique aqui.

Fonte: Portal Crescer 


07/11/2012

Curso de Via Aérea Pediátrica

Curso de Via Aérea Pediátrica realizado em Santiago do Chile, no final de setembro, foi avaliado como excelente pelos colegas otorrinolaringologistas presentes. Lá estavam vários membros e os presidentes da ABOPE e da ABLV. Entre os palestrantes estrangeiros estavam os Drs. Robin Cotton, Michael Rutter e o Dr. Philipe Monier. Os dois últimos estarão também abrilhantando o Congresso Brasileiro de Recife


10/07/2012

Luc

Agora à tarde fomos surpreendidos pela notícia da passagem do nosso Luc. Que notícia amarga! Não pára de arder em nossas gargantas e pesa de sobremaneira em nossas almas.
Entristece não só a nós, membros da ABOPE, mas tenho certeza que a todos que privaram de sua agradável companhia, seja no âmbito pessoal, seja no âmbito profissional. Por mais irremissível que pudesse ser o ocorrido, não estávamos prontos e será difícil nos adaptarmos a essa nova realidade.
O Luc nos fará muita falta!

Luc foi o nosso Primeiro Presidente e Fundador, mas não foi só isso, foi e sempre será um paradigma da ABOPE.
Responsável pelo seu nascimento, foi também seu maior incentivador. Criou a primeira disciplina de Otorrinolaringologia Pediátrica que se tem notícia em nosso meio universitário. Plantou e espalhou sementes na pós-graduação que floresceram e deram frutos em todas as regiões de nosso país, onde hoje despontam colegas atuando no cuidado especializado de crianças, só possível pela formação que dele receberam. 
Há aqueles que acham que o Luc passou para outra esfera, outros que não, e outros que não entendem o que representa o fato e o porquê do ocorrido. Nós, da ABOPE, colocamo-nos entre aqueles que terão que se conformar com a inexorável ausência  física, porém Luc estará sempre vivo dentro de nossas mentes e corações e na essência da ABOPE.
Vá em paz e com sensação de dever cumprido, nosso mestre! Mais do que tudo, que fique registrado que Luc deixa hoje não só seus familiares e milhares de colegas, mas principalmente muitos amigos verdadeiros e eternamente gratos.

José Faibes Lubianca Neto
Presidente de Academia Brasileira de ORL Pediátrica (ABOPE)


"Caminhos da Otorrinolaringologia" é sucesso no Rio de Janeiro

Três dias de diversão e aprendizado marcaram a primeira etapa da campanha nacional de saúde “Caminhos da Otorrinolaringologia”, que de 5 a 7 de abril agitou a Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro.

Realizada pela Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial, a mostra foi muito bem recebida pela criançada, pelos pais e pelos adolescentes, que curtiram o feriado da Páscoa viajando pelos ouvidos, nariz e garganta gigantes, testando o olfato com o Jogo dos Aromas, o volume do som dos fones de ouvido e rindo à beça com as trapalhadas e piadas da trupe do teatro.

De acordo com presidente da ABORL-CCF, Marcelo Hueb, a Campanha Caminhos da Otorrinolaringologia mostra toda a força da especialidade, com a unificação de três das principais áreas de atuação do otorrino. "Além da população, precisamos também da participação de todos os nossos colegas, para que, juntos, possamos percorrer os caminhos da otorrinolaringologia pelo Brasil", afirmou.

Além da exposição dos infláveis, a mostra também conta com atendimento ao público para o esclarecimento de dúvidas e uma carreta de 17 metros, onde estão programadas aulas médicas e atrações de entretenimento. Tudo para destacar a importância do médico otorrinolaringologista e garantir mais saúde e qualidade de vida à sociedade. Para isso, o evento contou com a participação de cerca de 70 otorrinos, dentre associados e residentes da ABORL-CCF. 

Mas o sucesso não acabou por aí. Com um público de mais de 8.000 pessoas, a exposição também foi assunto na mídia, com repercussão em grandes veículos, como TV Globo, TV Brasil, TV Bandeirantes, Revista Veja Rio, Jornal O Dia, Jornal do Brasil, Jornal O Globo, portal G1, além de importantes rádios cariocas, como Rádio Record, Copacabana, Roquette Pinto, dentre outras.

E este foi só o começo, pois a ABORL-CCF ainda vai levar a iniciativa para mais 16 cidades brasileiras, em 13 estados. Então apertem os cintos, pois serão mais de 8.400km em nove meses e a próxima parada será em São Paulo.

De 14 a 17 de abril, o público paulista tem um encontro marcado com os “Caminhos da Otorrinolaringologia” no parque do Ibirapuera, e ainda com um diferencial: 16 de abril é o Dia Mundial da Voz, celebrado há 10 anos por uma iniciativa da Academia Brasileira de Laringologia e Voz, braço científico da ABORL-CCF.

Fiquem de olho nas datas e não percam a oportunidade de fazer uma incrível viagem pelo ouvido, nariz e garganta com os "Caminhos da ORL".

Veja abaixo imagens do evento:


Prezados colegas,

É com imenso prazer que me dirijo a vocês na qualidade de Presidente eleito da Academia Brasileira de Otorrinolaringologia Pediátrica. De antemão, gostaria de afirmar que estou entusiasmado com a possibilidade de poder colaborar para o desenvolvimento dessa área no país, sem fugir da função estatutária da Academia que é ligada à educação, difusão de conhecimento e à pesquisa. Foco nesse aspecto para em caráter definitivo afastar o receio de que a Academia visaria fornecer certificados de área de atuação ou privilégios aos seus membros, especificamente na reserva de mercado. Não visa fornecer certificados de área de atuação, nem mesmo fornecer aos membros da academia algum tipo de privilégio ou reserva de mercado na faixa etária pediátrica.

Por outro lado, uma de nossas metas é acabar com o preconceito de que a ORL Pediátrica se resume à timpanotomia para colocação de tubos de ventilação e às adenotonsilectomias. Para isso, estamos planejando cursos itinerantes envolvendo aspectos peculiares da subespecialidade, demonstrando a atuação em malformações de cabeça e pescoço, avaliação e manejo do estridor, a avaliação e manejo de problemas comuns em pacientes de UTI neonatal e pediátrica, entre outros. Enquanto que em programas de educação e pesquisa a subespecialidade pode atuar em setores primários e secundários de atenção à saúde, parece claro que a atuação profissional da otorrinolaringologia pediátrica se dá prioritariamente em locais de atenção terciária.

Por isso, outra meta da nossa administração será fazer o que for possível para incentivar a formação de mais profissionais com o verdadeiro perfil esperado do otorrinolaringologista pediátrico, incentivando, inicialmente, a formação de programas de aperfeiçoamento na área nos locais onde já existe massa crítica de conhecimento estabelecida ao longo dos anos.

Enfim, há muito a fazer, mas estamos dispostos ao trabalho,


Cordiais saudações,

José Faibes Lubianca Neto.

Eventos e cursos
Av. Indianópolis, 1287 - Planalto Paulista - São Paulo - SP - Brasil - Fone: (11) 5053-7500 - Fax: (11) 5053-7512